Oficial de Justiça

Central de Apoio

FALE CONOSCO (43) 99110-5335

 
Notícias

27/JUL /2015Endereços – Dificuldade constante 

Atualmente contamos com recursos para localização de endereços que vão muito além das informações dos vizinhos e dos catálogos telefônicos. O mundo do compartilhamento de informações e o esquadrinhamento de toda a superfície da terra com fotos de satélite nos colocam em uma posição privilegiada para localização de endereços e pessoas. Os convênios celebrados pelo Judiciário tais como Infojud, Renajud, Infoseg, além dos serviços privados de mapas como o Google Earth/Maps/Streetview, Bing Maps e aparelhos de GPS, que embora não dispensem a presença do Oficial de Justiça, são ferramentas poderosas de localização para evitar um grande número de diligências com resultado negativo.

Mesmo com todos os recursos disponíveis há endereços que nos desafiam, como aqueles que existem no papel, mas não na realidade. Apresentamos para o enriquecimento de todos um caso real que ilustra essa situação: o Oficial de Justiça utilizou a planta da cidade disponibilizada na Internet e comparou com as imagens de satélite do Google Earth para corroborar a sua constatação de inexistência do endereço indicado no mandado. Acreditamos que em questões técnicas, para além da fé pública do Oficial de Justiça, é interessante coletar dados da realidade que ilustrem e esclareçam os fatos constatados.

Clique aqui para ver o trabalho produzido pelo colega.

 

  • 4 Comentários
    • 28/07/2015 17:08:05
      - Óbvio que no âmbito federal, onde são disponibilizadas ferramentas e oferecido suporte, se vê viabilidade. Aqui embaixo é NEGATIVA, amigo. Indique certo que não sou detetive!!!
      Max tj-ba
      Caro Max, compreendo as dificuldades. Mas nesse caso o fato poderia ser provado com uma simples consulta ao Google Earth, que não requer convênio ou outra formalidade para o acesso. Forte abraço. Marcelo Freitas.
    • 29/07/2015 13:44:15
      - Ótimo trabalho, José Carlos. Já me deparei com situações como esta, em que a rua está cadastrada na prefeitura e nos correios, mas que na realidade não existe, em cidades como Bauru/SP e São José dos Pinhais/PR. As informações que você juntou (croqui da prefeitura e foto de satélite) são importantes para dar qualidade, robustez e segurança à sua certidão. E a consulta à Copel, então, acabou de vez com qualquer dúvida, deixando claro que a destinatária agiu de má fé ao utilizar-se de de endereço sabidamente inexistente. Parabéns! São certidões como estas que valorizam nossa imagem profissional.
      sérgio martinez
      Caro Sérgio, obrigado pelo incentivo. Acreditamos que podemos fazer a diferença no processo com uma atuação qualificada. Como você muito bem observou várias nulidades podem advir de uma notificação equivocada ou entregue no endereço errado. Não sei se podemos presumir a má fé, mas se for esse o caso, creio que assim cortamos o mal pela raiz e você provou que está atento a essa possibilidade, o que entendemos está no campo de nossa atuação. José Carlos Batista.
    • 31/07/2015 13:54:42
      - Acho louvável a dedicação/ do Colega. TODAVIA, DEVERIA BASTAR A SUA PALAVRA. AFINAL PARA QUE SERVE A FÉ PÚBLICA?
      Nome
      Caro colega, a fé pública é suficiente para conferir validade às suas afirmações, mas não tem o poder de transformar em verdade situações de fato, em especial nas questões técnicas. Assim a única coisa que poderá afirmar utilizando sua fé publica é que procurou e não encontrou, o que pode atestar simplesmente sua inabilidade para encontrar endereços. Para afirmar que a rua não existe, por outro lado, é preciso um elementos de prova mais fortes do que aqueles pré-estabelecidos pelo cadastro municipal e dos Correios. Foi isso justamente o que fizemos. José Carlos Batista.
    • 13/08/2015 16:12:47
      - Parabéns pela iniciativa! Excelente trabalho. Obrigada por compartilhar com os demais colegas.
      Nome
  • Dúvidas, Comentários
Compartilhe
 
 

© Manual do Oficial de Justiça

Desenvolvimento: Key Webmarketing